Transmissão de vírus raro entre humanos é identificada na Bolívia

Ainda não se sabe muito sobre o vírus, que provoca sintomas parecidos com os da dengue hemorrágica ou do ebola Foto: Getty Images/AFP/A.Raldes

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Vírus de Chapare causa febre hemorrágica e teria sua origem em ratos. Cientistas confirmam que houve transmissão entre humanos em La Paz em 2019. De cinco infectados, três morreram.

Cientistas americanos e bolivianos confirmaram que houve na Bolívia uma transmissão entre humanos do vírus de Chapare, um vírus raro que causa febre hemorrágica e pode levar à morte.

 

 

A matéria continua após a publicidade

www.funerariaitapax.com.br/

Link para baixar o aplicativo

O vírus, que teria sido originalmente transmitido para humanos por um tipo de rato, foi identificado pela primeira vez em 2004 na província boliviana de Chapare.

Nesta segunda-feira (16), cientistas do Centro de Prevenção e Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos e do Centro Nacional de Doenças Tropicais da Bolívia afirmaram que houve transmissões entre humanos em 2019 em La Paz. Cinco pessoas foram infectadas, e três delas morreram.

Ainda não se sabe muito sobre o vírus, que provoca sintomas parecidos com os da dengue hemorrágica ou do ebola, como febre hemorrágica.

 

Os trabalhos divulgados nesta segunda-feira, numa reunião da Sociedade Americana de Medicina e Higiene Tropical, descrevem que os infectados do surto de 2019 tiveram, além de febre, também dores abdominais, vômitos, sangramento das gengivas, erupções cutâneas e dor atrás dos olhos.

Dois pacientes transmitiram o vírus para três médicos. Dois dos profissionais e um dos pacientes morreram.  Os pesquisadores disseram acreditar que a transmissão se dê por fluidos corporais.

 

Vírus transmitidos por fluidos corporais costumam ser mais fáceis de serem controlados do que os transmitidos pelo ar, como o novo coronavírus. Mas isso não significa que eles não sejam perigosos.

Os pesquisadores afirmaram ser possível que o vírus tenha circulado por vários anos sem ter sido corretamente diagnosticado por causa dos sintomas parecidos com os da dengue.

“Ficamos realmente surpresos porque o surto de 2019 em La Paz ocorreu muito depois de o primeiro caso ter sido identificado, em 2004”, afirmou a pesquisadora Maria Morales Betoulle.

Não há tratamento para o vírus de Chapare, e os infectados em La Paz receberam apenas medicamentos para aliviar os sintomas.

Fonte Época
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com