Município de Fronteira (MG) terá que implantar aterro sanitário

Justiça determinou multa de até R﹩ 500 mil em caso de descumprimento da decisão

Resíduos sólidos domésticos, da construção civil, carcaças de animais, peças de veículos e pneus são descartados sem triagem ou segregação de materiais

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A 3ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) reformou parcialmente a sentença que determinava multa diária de R﹩ 1 mil até o limite de R﹩ 100 mil, caso o Município de Fronteira (MG) não regularizasse a situação do lixão na cidade. A multa diária foi aumentada para R﹩ 5 mil.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) ajuizou a ação para que o município encerrasse as atividades do lixão, dispensasse seus resíduos sólidos em aterro licenciado e implementasse medidas para recuperar a área degradada.
Segundo o MP, o município assinou Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) há 12 anos, mas não sanou as irregularidades nem se submeteu aos procedimentos de autorização ou de licenciamento operacional corretivo.

 

A matéria continua após a publicidade

Ainda conforme a denúncia, o lixão é utilizado para dispensa de resíduos sólidos domésticos, resíduos da construção civil, carcaças de animais mortos, peças de veículos automotores e pneus, sem qualquer tipo de triagem ou segregação de materiais. Este descarte indevido causa a degradação do meio ambiente e perigo de contaminação do lençol freático, do solo e dos animais, criando risco concreto à saúde pública.

Em primeira instância, a juíza da 1ª Vara Cível, Pollyanna Lima Neves Lopo, determinou o prazo de 180 dias para o município encerrar a atividade de depósito irregular de resíduos no atual lixão e implantar o aterro sanitário. Foi determinada multa diária de R﹩ 1 mil até o limite de R﹩ 100 mil em caso de descumprimento da sentença.

 

Preservação ambiental

 

O MPMG recorreu, pedindo o aumento da multa, já que o valor estabelecido era irrisório ante o prejuízo causado pelo lixão aberto.

 

O relator, desembargador Elias Camilo Sobrinho, acolheu o pedido, fixando o valor da multa diária em R﹩ 5 mil até o limite máximo de R﹩ 500 mil. “Levo em consideração os prejuízos causados por um lixão a céu aberto nos dias atuais, em que todos possuem um mínimo de consciência ambiental coletiva”, disse o magistrado.

No que diz respeito ao mérito, o relator afirmou que o caso evidenciava “nítida violação a um direito de terceira geração, qual seja, o meio ambiente equilibrado”. Assim, manteve a sentença.

Os desembargadores Jair Varão e Maurício Soares votaram de acordo com o relator.

Consulte oacórdão na íntegra eacompanhe o caso .
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com