Prefeito de Seul, na Coreia do Sul, é encontrado morto

Park Won-soon desmarcou uma reunião que estava agendada pela manhã. Sua filha acionou a polícia. Começou então uma busca pelo prefeito, que foi encontrado morto.

Park Won-soon em imagem de maio de 2014 — Foto: Ed Jones / AFP

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A polícia da Coreia do Sul confirmou nesta quinta-feira (9) a morte do prefeito de SeulPark Won-soon, de 64 anos. Após quase oito horas de buscas, o corpo do político foi encontrado perto do Monte Bugak, ao norte da capital do país. As autoridades sul-coreanas ainda não divulgaram a causa da morte e o motivo do desaparecimento.

A matéria continua após a publicidade

De acordo com relatos da imprensa sul-coreana, Park deixou a residência oficial por volta de 10h40 (horário local), usando um chapéu preto e uma mochila, e havia cancelado um encontro agendado para a manhã desta quinta-feira. Ele não apareceu mais depois disso.

Segundo a agência de notícias Yonhap, a filha de Park acionou a polícia após receber uma mensagem que parecia “um testamento” do pai. Ela procurou os policiais às 17h17 locais (5h17 de Brasília) e disse que o telefone do prefeito estava desligado.

Equipes buscam o prefeito de Seul, Park Won-soon, que desapareceu em 9 de julho de 2020 — Foto: Yonhap/ Via Reuters

Então, policiais iniciaram as buscas no distrito de Sungbuk-dong, ao norte de Seul — local onde o último sinal do celular do prefeito foi detectado. Cerca de 600 agentes de segurança, além de drones e cães de buscas, participaram da operação.

O policial Choi Ik-su, da Polícia Metropolitana de Seul, não há indícios de homicídio. Além disso, embora a filha relate ter recebido uma mensagem semelhante a um testamento, as autoridades não encontraram algo que confirmasse um suposto suicídio de Park. As causas da morte e o motivo do desaparecimento ainda não foram revelados.

Park Won-soon (direita) durante um velório, em 6 de julho de 2020 — Foto: Yonhap /Via AFP

Acusação de assédio sexual

Park governava Seul, capital sul-coreana, desde 2011. Na imprensa local, o político era enxergado como um potencial candidato a presidência do país nas eleições marcadas para 2022.

De acordo com o “New York Times”, na quarta-feira, duas redes de TV coreanas noticiaram que Park estava sendo processado por uma secretária por assédio sexual. Pela acusação, ele estaria praticando isso desde 2017.

As duas redes de TV atribuíram a informação a fontes na polícia, mas, oficialmente, a corporação não fez nenhum comentário.

Fonte G1
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com