MPMG combate quadrilha que causava prejuízos ao setor calçadista de Nova Serrana e região

0 70

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio da 3ª Promotoria de Justiça de Nova Serrana, na região Central do estado, realizou nesta segunda-feira (27), duas operações com mandados de prisão e de busca e apreensão, que foram cumpridos nos municípios de Nova Serrana, Divinópolis, Martinho Campos, Varginha, Belo Horizonte, Contagem, Caetanópolis, Teófilo Otoni e Abaeté. Alguns dos mandados foram cumpridos também no estado do Rio de Janeiro.

A matéria continua após a publicidade

Os alvos são integrantes de uma quadrilha que, segundo apurado, causava prejuízos ao setor calçadista de Nova Serrana e atuava também com o tráfico de drogas na região.

Foram cumpridos 36 mandados de prisão e 63, de busca e apreensão. Quarenta e três pessoas foram presas, sendo 7 delas em flagrante. Foi apreendida uma arma de fogo, munições, maconha, cocaína, ecstasy, cerca de R$ 59 mil em cheques e dinheiro em espécie, três motocicletas, um carro, 30 celulares, quatro balanças de precisão, dois notebooks, entre outros materiais.

As fases ostensivas das operações Covil de Ladrões e Hidra têm como alvo a mesma quadrilha. Segundo o MPMG, a organização criminosa praticava furtos e roubos a mão armada a depósitos, fábricas e transportadoras de calçados de Nova Serrana. Além disso, conforme as investigações, aplicava golpes em comerciantes, fabricantes e fornecedores de matéria prima para os calçadistas da região. Outra parte da quadrilha atuava com foco no tráfico de drogas, realizando o comércio de entorpecentes na modalidade “disque-droga”.

Investigações

Após a primeira fase da Operação Covil de Ladrões, desencadeada em dezembro de 2018, alguns dos denunciados procuraram a 3ª Promotoria de Justiça de Nova Serrana manifestando interesse em colaborar com a Justiça. A partir das colaborações premiadas, judicialmente homologadas, o MPMG, com o apoio das Polícias Militar e Civil, aprofundou as investigações sobre outros elementos vinculados à organização criminosa.

Durante os trabalhos, ficou evidente a atuação de um outro grupo com foco no tráfico de drogas. Desde então, foram identificados quase 60 integrantes da quadrilha.

Dessa forma, de acordo com o MPMG, em setembro de 2019, acabou sendo também estabelecida a Operação Hidra em referência ao monstro da mitologia grega com corpo de dragão e várias cabeças de serpente – visto ter sido observada a existência de vários “cabeças”, pequenas lideranças do crime. Neste período, foram identificadas pelo menos 23 pessoas envolvidas na “associação criminosa”.
Divulgação/Polícia Militar
Divulgação/Polícia Militar
Divulgação/Polícia Militar
Divulgação/Polícia Militar
Divulgação/Polícia Militar
Com Informações: do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com