Polícia de Mato Grosso do Sul caça 75 fugitivos do PCC de presídio no Paraguai

Policiais de folga foram convocados para atuarem no município sul-mato-grossense de Ponta Porã, próximo a Pedro Juan Caballero

Reprodução/Redes sociais

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O governo de Mato Grosso do Sul reforçou o policiamento e iniciou a caça dos 75 detentos ligados ao PCC que fugiram do Presídio de Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Paraguai e o Brasil, próximo ao município sul-mato-grossense de Ponta Porã, distante 323 km de Campo Grande.

 

 
A matéria continua após a publicidade

Após a fuga, neste domingo (19), equipes das polícias Militar, Civil e Rodoviária Estadual intensificaram o patrulhamento na região, segundo o governo sul-mato-grossense.
De acordo com a Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul, desde a madrugada o Departamento de Operações de Fronteira monitoram as rodovias. Policiais que estavam de folga foram convocados para a região de Ponta Porã. Carros, táxis e ônibus serão abordados e será feita uma varredura para localizar os fugitivos que possam ter vindo para o Brasil.
Em entrevista à imprensa local, o secretário de Segurança de Mato Grosso do Sul, Antônio Carlos Videira, destacou que equipes de inteligência do Brasil atuam em conjunto com as equipes da Força Nacional do Paraguai para identificarem os presos.

Entenda o caso

Integrantes da facção criminosa PCC fugiram do Presídio de Pedro Juan Caballero, na fronteira entre o Paraguai e o Brasil, durante a madrugada deste domingo (19). Cerca de 75 detentos fugiram da unidade por um túnel. Eles conseguiram, praticamente, esvaziar o pavilhão B, destinado aos presos da facção criminosa.

 

O número de fugitivos ainda não está confirmado e apenas um dos presos teve a fuga frustrada. A distância entre o túnel e a guarita mais próxima é de apenas 25 metros, onde deveria estar ao menos um guarda de cela.

Fuga em Brasília

Em dezembro do ano passado,  um plano de resgate do líder do Primeiro Comando da Capital (PCC), Marcos Willians Herbas Camacho, no Presídio Federal de Brasília, fez com que os ministérios da Justiça e da Defesa fechassem um acordo para intensificar a segurança do complexo, localizado em São Sebastião. Militares do Exército Brasileiro foram direcionados para a penitenciária de segurança máxima.
Fonte Metrópoles
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com