Divinópolis registra três casos suspeitos da síndrome nefroneural

Dois pacientes confirmaram ter ingerido Belorizontina dos lotes contaminados; um deles tinha 19 garrafas em casa

0 99

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Três casos suspeitos relacionados à síndrome nefroneural foram confirmados, nesta quarta-feira (15), pela Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) de Divinópolis, Região Centro-Oeste de Minas Gerais. Todos os casos foram registrados em dezembro do ano passado e apenas um dos pacientes ainda apresenta os sintomas da doença.
O homem, de 30 anos, foi aconselhado a voltar ao médico com o qual já havia iniciado o tratamento para novos exames, agora específicos. A secretaria vai continuar acompanhando. 

 

A matéria continua após a publicidade

O paciente consumiu a cerveja Belorizontina, produzida pela Backer, no início de dezembro e apresentou vômitos, diarreia e dor abdominal. Os sintomas persistiram por cerca de 15 dias. Ele chegou a perder 5 quilos e já está se recuperando. O homem tem 19 garrafas do lote L2 1354 que teve a substância dietilenoglicol detectada pela Polícia Civil.
Nos outros dois casos, os pacientes já apresentaram um quadro de melhora. Um deles, um homem, de 40, que consumiu a Belorizontina nas festas de fim de ano, teve vômito e diarreia, ficou de licença médica por dois dias, mas hoje está sem sintomas. Ele tem em casa uma garrafa do lote L2 1354.
Já o idoso, de 65, ingeriu a cerveja em 9 de dezembro em um restaurante. Ele não soube informar o lote. O paciente apresentou sintomas de vômito e diarreia.  Inicialmente, a síndrome foi descartada, pois ele já tinha problemas gastrointestinais prévios. A esposa dele também consumiu a bebida e não apresentou nenhum sintoma.

Vigilância realiza vistoria

A Vigilância Sanitária iniciou, na segunda-feira (13), vistoria nos supermercados e outros estabelecimentos que comercializam bebidas alcoólicas em Divinópolis. De acordo com o balanço divulgado nesta quarta-feira (15), 69 comércios foram fiscalizados e em nenhum deles foram encontradas garrafas dos lotes suspeitos de contaminação por dietilenoglicol.
Todas as Belorizontinas, mesmo aquelas que não pertencem aos lotes que tiveram a substância detectada, ficarão apreendidas no próprio estabelecimento e não poderão ser comercializadas.
Fonte Estado de Minas

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com