Crea-MG irá fiscalizar barragens de extração mineral começando por Itapecerica (MG)

A ação ocorre em municípios como Itaúna, Itapecerica e Arcos até a próxima sexta-feira (8).

0 1.057

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea) inicia nesta terça-feira (5), uma fiscalização em empresas de extração mineral e barragens nas regiões Centro-Oeste e Central do estado. A fiscalização abrange nove cidades onde ocorrem atividades de mineração e, segundo a assessoria de comunicação, os trabalhos vão começar por Itapecerica.

 

A matéria continua após a publicidade

A fiscalização segue até a próxima sexta-feira (8). Mais de cinco profissionais irão até as empresas de Itaúna, Bambuí, Pitangui, Arcos, Conceição do Pará, além de Mateus Leme, Itatiaiuçu e Fortaleza de Minas, na região Central.

Situação das empresas

 

Segundo a supervisora regional do Crea, Denise Guimarães, a fiscalização será voltada para as atividades de mineração onde será verificada a situação da empresa, estando a atenção voltada para o quadro técnico de funcionários, os contratos de prestadores de serviços nos diversos segmentos das engenharias e a presença dos responsáveis técnicos pelos projetos, construções, operação e monitoramento dos empreendimentos.
Além disso, ela explica que os fiscais também vão conferir se as licenças ambientais estão acompanhadas das respectivas Anotações de Responsabilidade Técnica (ART).
A gerência de fiscalização do conselho detalha que a fiscalização no setor minerário acompanha atividades técnicas onde se faz necessária a presença de profissionais da área com objetivo principal de proporcionar segurança à população.

Acompanhamento

 

Na ocasião, quatro fiscais do Crea de Tocantins irão acompanhar a fiscalização para conhecerem a metodologia utilizada em Minas e aplicá-la no estado deles. “Teremos uma capacitação teórica, parte prática da fiscalização e também visitas técnicas a algumas barragens. O objetivo é que eles absorvam o máximo possível do nosso trabalho e possa replicá-lo por lá”, concluiu a supervisora.
Fonte G1 Centro-Oeste

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com