Juanito vai em busca de recordes pelo Atlético e redenção na Sul-Americana

Bruno Cantini / Atlético

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Se existe um personagem do atual elenco do Atlético que atrai para si os holofotes sempre que a bola rola, esse alguém é Cazares. Para o bem ou para o mal. Além do habitual peso – e da responsabilidade – de vestir a 10 do Galo, o meia tem a missão de orquestrar o time na sinfonia do quarto título inédito do clube nesta década, a chance de quebrar dois tabus individuais na Copa Sul-Americana (ainda não fez gol, nem deu assistência na competição) e, nesta terça-feira (27), às 21h30, contra o La Equidad, em Bogotá, na partida de volta das quartas de final do torneio, a oportunidade de dar mais um passo importante na busca por dois de três recordes individuais na temporada.

 
A matéria continua após a publicidade

Juanito pode se tornar, ainda em 2019, o maior goleador estrangeiro da história da agremiação – tem 39 gols na conta, três a menos que o argentino Lucas Pratto (atacante do time de 2015 a 2017) – e o atleta gringo que mais vezes vestiu a camisa alvinegra – trajou o manto preto e branco em 184 ocasiões, dez a menos que o uruguaio Cincunegui (lateral que atuou pela equipe de 1968 a 1973), que aparece no topo da lista.
Isso sem contar que o equatoriano também corre atrás de outro feito: o de ser o maior artilheiro da história do novo Independência. Com 22 tentos, está atrás de Jô (27 gols), Luan (26), Fred (24) e Ricardo Oliveira (23). Mas essa saga continuará a ser escrita, provavelmente, no próximo capítulo do Galo no Horto, no dia 15 de setembro, diante do Internacional, pelo Brasileiro.
Responsabilidade
Se a década começou mal para o Atlético, com um 2011 vexatório, o que se viu a seguir foi uma coleção de títulos, até então inéditos para o clube: a Libertadores de 2013, a Recopa Sul-Americana de 2014 e a Copa do Brasil de 2014. Poderia ter sido ainda melhor se o time não tivesse batido na trave no Brasileirão de 2012 e no de 2015 e na Copa do Brasil de 2016 – nesses três torneios, terminou com o vice.
Agora, o Galo pleiteia mais uma conquista inédita, a da Copa Sul-Americana, considerada a “herdeira” da Copa Conmebol. Para isso, conta com Cazares como peça fundamental nesta trajetória. Na atual edição do torneio, ele entrou em campo em duas ocasiões e ficou fora de três partidas – uma por opção de Rodrigo Santana, e duas por conta de uma conjuntivite. Nesta terça, vamos ver se Juanito e o Atlético estarão afinados.
Disputa
Como venceu o La Equidad por 2 a 1, no jogo de ida, no Indepa, na última terça, o Atlético avança se, no mínimo, empatar o próximo confronto. Se ganhar por 1 a 0, o time colombiano se classifica. O vencedor da disputa encara o Colón, da Argentina, nas semifinais.
Fonte Hoje em Dia
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com