Rally dos Sertões de 2019 promete fazer história com novidades nesta temporada

Uma das principais competições de rali do mundo conta com infraestrutura e recorde de participação de pilotos nesta edição.

Quadriciclo Foto: Ricardo Leizer/Rally dos Sertões

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Após muita expectativa dos fãs de rali, começa neste sábado a 27ª edição do Rally dos Sertões, a segunda maior competição do esporte no mundo, atrás apenas do lendário Rally Dakar. A atual edição da prova deve ser a maior em infraestrutura, distância e participação de pilotos – 302 competidores ao todo – e vai ser disputada até o dia 1º de setembro.  A largada será na cidade de Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul, e o encerramento acontece em Aquiraz, no Ceará. 

A matéria continua após a publicidade

Além da adrenalina e emoção por correr em alta velocidade, o rali também se destaca por passar em locais pouco habitados ou desconhecidos de boa parte do público. Nesta temporada, várias são as cidades que pretendem aproveitar o evento para mostrar suas virtudes e ganhar turistas. O Rally dos Sertões passará por nove cidades, em um total de 4.900km de prova. 
Rally dos Sertões

Rally dos Sertões Foto: Arte/Estadão

O Estado destaca as principais informações e números do Rally dos Sertões. A partir de hoje, o Estado acompanha a prova com informações diárias, fotos e vídeos. 
SERTÕES EM NÚMEROS
  • 9 cidades – Campo Grande (MS), Costa Rica (MS), Barra do Garças (MT), São Miguel do Araguaia (TO), Porto Nacional (TO), São Félix do Tocantins (TO), Bom Jesus (PI), Crateús (CE) e Aquiraz (CE)
  • 4.900km de percurso
  • 2.860km de estradas especiais – trechos cronometrados (60% do percurso)
  • Cerca de 1.800 pessoas na Caravana (entre equipes, organização, mecânicos, médicos, etc) 
  • 5 aeronaves para controle de prova (dois aviões para monitoramento e três helicópteros de resgate e filmagem)
  • 302 competidores
  • Total de 865 km sem apoio mecânico
DATAS
O torneio será disputado entre os dias 24 de agosto e 1º de setembro. 
PROJETO SOCIAL DO RALLY
A organização vai acessar algumas áreas isoladas e carentes do Brasil durante seu percurso. Serão duas carretas-médicas com oito ambulatórios para atendimento médico às pessoas locais. Atendimentos de Dermatologia, Ginecologia, Oftalmologia e Odontologia, dentre outras ações.

VAI PASSAR NA TV?
Sim, mas apenas no dia 24, no sábado, quando se dará a largada. O canal SporTV e o Fox Sports vão transmitir o evento a partir das 18h30 (horário de Brasília). Também é possível acompanhar todo o rali pelo aplicativo oficial do evento, que está disponível para celulares e com o noticiário diariamente no Estado.
PILOTOS
  • 302 competidores, entre pilotos e navegadores (nos carros)
  • 187 veículos (carros, motos, UTVs e Quadriciclos)
  • 60 carros (43 no Cross Country) e 17 (Regularidade)
  • 66 Motos
  • 6 Quadriciclos
  • 55 UTVs 
MODALIDADES E CATEGORIAS
  • Carros: T1 Fia, Protótipos – T1, Pró Brasil, Super Production, T1 Fia Brasil, T3 e Production-T2
  • Moto: Marathon, Super Production, Production Aberta, Over 45, Rally Brasil, Self e Brasil-CRF 250 CC
  • UTV: Super-Production, Pró-Aspirado, Pró Elite, Over 45 e Over 45 Pró
  • QUADRI: Modalidade única
  • REGULARIDADE: Modalidade única
  • EXPEDIÇÕES: Aventura, Turismo e África Twin

Conheça as modalidades que estarão em disputa no Rally dos Sertões 2019

Competição tem carros, motos, UTV e quadriciclo, mas há diversas categorias dentro de cada modalidade.
O Rally dos Sertões, que começa neste sábado e vai até o dia 1º de setembro, tem as motos como principais atrações, mas a competição não se limita apenas ao veículo de duas rodadas. Carros, quadriciclos e UTV também ganham espaço e são divididos em diversas categorias bem distintas.
A variação da modalidade acaba confundindo muita gente que gosta de rali, mas que não está acostumado com o Rally dos Sertões. São sete categorias de carro (T1 Fia, Protótipos – T1, Pró Brasil, Super Production, T1 Fia Brasil, T3 e Production-T2), sete de moto (Marathon, Super Production, Production Aberta, Over 45, Rally Brasil, Self e Brasil-CRF 250 CC), cinco de UTV (Super-Production, Pró-Aspirado, Pró Elite, Over 45 e Over 45 Pró), três de Expedições (Aventura, Turismo e África Twin) e quadriciclo e regularidade tem modalidade única. O Estado explica as diferenças de modalidades.
Carro

Carro Foto: Victore Leuterio/Rally dos Sertões
CARROS
  • T1 FIA: veículos necessitam ser carros de fábrica ou protótipos equipados com tanques de combustível homologados e preparados de acordo com o padrão da federação. O peso mínimo do veículo varia entre 860 e 2050 kg e precisa ter pelo menos dois assentos. São permitidos motores turbinados, mas com restrição de no máximo dois estágios. Preparação da capacidade dos cilindros é liberada. Nos chassis, são permitidas estruturas tubulares e transmissão manual com no máximo seis marchas. Não é permitido suspensão com sistema ativo e as rodas devem ter um diâmetro máximo de 810 milímetros. 
  • PROTÓTIPOS – T1: Segue as mesmas regras da categoria T1 FIA, mas os carros são preparados com tração 4×4. O combustível utilizado pode ser o mesmo vendido em postos de gasolina comum e os tanques de combustível e extintores de incêndio não precisam ser homologados pela federação.
  • PRÓ BRASIL: Também seguem as regras da categoria T1 FIA e os veículos utilizam etanol ou gasolina como combustível. Os extintores e tanques não precisam ser homologados e podem ser fabricados em território nacional. Os motores devem ter aspiração normal e taxa de compressão livre. São proibidos modelos com mais de seis cilindros, sistema de alimentação por carburador, lubrificação do tipo carter seco e sistemas de injeção de óxido nitroso. 
  • SUPER PRODUCTION: veículos devem possuir tração nas quatro rodas, ser movido a diesel, gasolina ou etanol e ter pelo menos cem unidades produzidas ou vendidas no Brasil. O veículo deve estar de acordo om a regulamentação de segurança da FIA. Os extintores e tanque de combustível não precisam ser homologados e podem ser fabricados no Brasil. O peso mínimo varia entre 1.150kg para veículos de 1.600 cc e até 2.500kg para carros com 5.250 cc.
  • T1 FIA BRASIL: Protótipos devem ser homologados semelhantes à categoria T1 FIA, mas liberados para competições nacionais de cross country. 
  • T3: Protótipos considerados veículos leves e que podem ser equipados com motores de menor potência. 
  • PRODUCTION – T2: Os conhecidos “carros de rua”, vendidos normalmente nas lojas e concessionárias pelo Brasil. Com a diferença de serem adaptados para o off-road. São proibidas alterações que resultem em ganho de desempenho, como retirada de acessórios. 
Moto
Moto Foto: Ricardo Leizer
MOTO
  • MARATHON: Categoria para pilotos iniciantes. Motos devem ser produzidas no Brasil e ter até 700 cc. Podem ser alterados os seguintes itens: pneus e rodas livres; tanque de combustível e bancos livres; somente um chassi por moto e original, sendo permitidos apenas reforços; escapamento livre, inclusive curvas com limite de 115dB; preparação interna da suspensão dianteira e do amortecedor traseiro livre; transmissão secundaria livre; mudança interna da caixa de ar para adaptação de filtro de espuma; guidões com controles e cabos livres; pedaleiras e controles de marcha e freio livres. A preparação do motor é liberada, mas apenas um motor original e um de reserva poderá ser utilizado durante o rali
  • SUPER PRODUCTION: Principal categoria das motos. Podem competir motocicletas e protótipos com motor a partir de 250cc até 1300cc com preparação livre.
  • PRODUCTION ABERTA: Motos originais de fábrica até 700cc 2 e 4 tempos. A preparação do motor é livre, mas só pode ter um motor original e um reserva. 
  • OVER 45: Apenas competidores a partir de 45 anos podem correr. São liberadas motocicletas de fabricação nacional ou importadas que possuem características das motos Super Production.
  • RALLY BRASIL: Categoria dedicada para motos de trail e enduro com motor de até 300cc de 2 a 4 tempos, produzidas no Brasil.
  • SELF: Ao contrário da maioria das outras modalidades, os pilotos da Self participam do rali sem qualquer assistência mecânica. A organização disponibiliza espaço para o competidor transportar peças, ferramentas e equipamentos. 
  • BRASIL – CRF250 CC: Categoria exclusiva para participantes que conduzem a motocicleta Honda CRF250cc fabricadas no Brasil.
UTV
UTV Foto: Marcelo Machado Melo/Rally dos Sertões
UTV
  • SUPER-PRODUCTION: É considerada a categoria de acesso a modalidade. O motor deve obedecer ao limite máximo de 1050cc, podendo ser turbo ou aspirado. O chassi deve ser original e são permitidos reforços. Campeão e vice obrigatoriamente troca de categoria para o ano seguinte. 
  • PRÓ-ASPIRADO: o UTV precisa ser original de fábrica e disponível no mercado brasileiro. O motor deve ser aspirado e com livre preparo, tendo o limite máximo de 1.299cc.
  • PRÓ ELITE: Categoria que permite participação de pilotos pró e UTV’s originais de fábricas disponíveis no mercado nacional. O motor é livre para preparo e deve obedecer ao limite máximo de 1299cc. Pode haver adição de carga no turbo. 
  • OVER 45: Categoria destinada a pilotos a partir de 45 anos com qualquer tipo de moto que esteja regularizado de acordo com as categorias Super-Production, Pró-Aspirado e Pró Elite. 
  • OVER 45 PRÓ: Categoria destina a pilotos a partir de 45 anos com títulos e resultados de destaque na carreira. 
Quadriciclo
Quadriciclo Foto: Ricardo Leizer/Rally dos Sertões
QUADRICICLO
  • Para participar é preciso ter um quadriciclo com motorização até 1300cc com preparação livre, tração 4×2 ou 4×4, e características técnicas iguais a Super-Production de motos.
Regularidade
Regularidade Foto: Vinicius Ferraz/Rally dos Sertões
REGULARIDADE
  • É a categoria mais precisa do rali cross-country. É dividida em três modalidades: master, graduado e turismo. É preciso cumprir metas sempre o mais próximo das determinações da planilha. É uma prova que se destaca pela técnica. 
Expedições
Expedições Foto: Doni Castilho/Rally dos Sertões
EXPEDIÇÕES
  • É dividida em três classificações: aventura, turismo e África Twin. É uma opção mais voltada para quem quer conhecer o trajeto do rali e fazer um passeio diferenciado. Na Expedição Turismo você assiste a trechos da competição e conhece os locais em que geralmente não se faz turismo. Na Expedição Sertões Aventura, a pessoa percorre trechos especiais, consegue ver de perto a passagem dos pilotos e pode ajudar os competidores caso eles necessitem de algum tipo de ajuda. É possível participar com um carro 4×4. A terceira e mais empolgante opção na categoria Expedições é a Sertões África Twin. Para participar é preciso ter uma big trail ou big trail África Twin da Honda. Os participantes vivem a experiência de uma competição off-road, com o apoio da equipe Expedições.
Fonte Estadão Conteúdo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com