Conscientização sobre inclusão de pessoas atípicas deve começar em casa

Para a especialista em educação, Ana Regina Caminha Braga, a infância é um bom momento para os pais ou responsáveis discutirem o assunto.

Especialista em Educação Especial, Ana Regina Caminha Braga (Foto: Priscilla Fiedler)

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

As discussões acerca da inclusão das pessoas atípicas sempre devem estar em pauta em nossa sociedade, visto que é normal indivíduos que possuem algum tipo de deficiência física ou intelectual. Um dos momentos mais propícios para que este assunto seja iniciado é na infância. A psicopedagoga e especialista em educação especial, Ana Regina Caminha Braga, explica que não há uma idade fixa para a conscientização sobre as pessoas atípicas, mas que este processo deve começar dentro da família, com os pais ou responsáveis.

 
A matéria continua após a publicidade

Dentro de casa, estes responsáveis devem ter um olhar construído de maneira inclusiva, o qual compreende que a diferença agrega valor na sociedade e na educação pessoal e social do filho, e que a inclusão é uma realidade no mundo em que vivemos.  O diálogo é uma das ferramentas mais importantes neste processo, pois dentro do lar, são os pais que promovem este diálogo, sejam com vídeos interativos, livros sobre o tema, ou até com trabalhos realizados dentro das comunidades, demonstrando a eles uma atitude inclusiva da família, tornando-se algo natural e espontâneo.
Isto também, segundo a especialista, serve nas práticas do ambiente escolar, quando, estas crianças conscientizadas e informadas na base familiar, se deparam dentro das escolas com algum colega que seja atípico, certamente ele agirá de forma solícita, conversando e se aproximando do colega atípico, mantendo relacionamento de amizade saudável, sem excluir ou olhar com piedade, por haver algum tipo de deficiência no amigo, o respeitando em suas habilidades e limitações.
Ana Regina Caminha Braga finaliza salientando que as discussões sobre inclusão devem ser cada vez mais abertas no espaço público e que se deve compreender, aceitar e respeitar as pessoas atípicas como são, pois existe espaço para todos os indivíduos viverem em harmonia, independentemente de sua condição física ou intelectual.
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com