Briga de trânsito no centro de Divinópolis termina com agressão e dois conduzidos a delegacia de polícia civil

Reprodução/WhatsApp

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Na tarde dessa segunda-feira (10), a Polícia Militar foi acionada para atender uma ocorrência de briga de trânsito no centro de Divinópolis (MG).
Segundo a Polícia Militar, o condutor do veículo GM Ágile, um homem de 53 anos disse aos militares que transitava pela rua São Paulo, sentido único, quando no cruzamento com Avenida Antônio Olímpio de Morais, parou e observou o trânsito, logo após convergir à esquerda, permaneceu na faixa, percebendo que uma motocicleta apareceu do seu lado esquerdo, estando seu condutor muito nervoso e lhe xingando, sendo que em determinado momento, o condutor da motocicleta começou a lhe agredir com socos, motivo pelo qual pegou um canivete que estava no interior do veículo, com o intuito de se defender, vindo a dar ré em seu veículo.
Ainda segundo o condutor do veículo GM Ágile, devido o motociclista continuar lhe agredindo, veio a perder o controle do veículo, vindo a chocar-se contra a motocicleta, tendo o mesmo saído do interior do veículo, momento que o motociclista continuou a lhe agredir com o capacete, sendo necessária a intervenção de terceiros para que cessassem as agressões.

 Vídeo

Versão do motociclista

segundo condutor da motocicleta, um homem de 28 anos, que transitava pela Avenida Antônio Olímpio de Morais, sentido único, pela faixa da esquerda, quando no cruzamento com rua São Paulo, o veículo GM Ágile que transitava por esta última, sentido único, realizou uma conversão à esquerda na Avenida Antônio Olímpio de Morais, sem observar o trânsito, vindo a “fechar” o motociclista e jogar o veículo em sua direção, momento que começaram uma discussão, tendo o condutor do veículo do Ágile de posse de um canivete, o ameaçou, tendo logo em seguida, dado ré e “jogado” seu veículo em cima da motocicleta, motivo pelo qual foi agredido.
Com a chegada dos militares, o condutor da motocicleta estava sendo contido por testemunha, mesmo assim partiu em direção ao condutor do veículo Ágile e começou a agredi-lo novamente, desferindo alguns golpes com o capacete em sua cabeça, mesmo com a chegada dos militares, que deram ordem para que cessassem as agressões, o que foi necessário uso de força moderada (técnicas de imobilização), para contê-lo e algemá-lo.
Devido ao acidente, o condutor da motocicleta sofreu escoriações na mão esquerda e queixava-se de dores no punho esquerdo, sendo conduzido até a UPA 24 horas, onde recebeu atendimento médico e foi liberado em seguida.
Durante todo o desenrolar da ocorrência, o motociclista permaneceu muito nervoso e ameaçando o condutor do Ágile diante dos fatos, o motociclista foi preso e conduzido pelo crime de agressão, ameaça e resistência. O condutor do veículo Ágile também foi preso e conduzido pelo crime de ameaça, sendo também recolhido o canivete. Ambos foram apresentados na delegacia de polícia civil para demais providências.
Deputado tenta impedir o trabalho da polícia durante atendimento da ocorrência.

 

Durante a ocorrência, ainda no local dos fatos, tendo testemunhas que presenciaram o ocorrido e, impediram que algo de mais grave acontecesse, pelo fato do motociclista do ter demonstrado um comportamento bastante agressivo, surgiu um deputado exaltado, que tentou impedir o trabalho da polícia militar.
As imagens mostram claramente o nervosismo do deputado tenteando atrapalhar o trabalho dos policiais militares que estavam cumprindo com o seu dever dentro de uma ação legítima.
O deputado a todo momento discordava da ação policial em conduzir o motociclista agressivo.
É importante salientar que no local dos fatos houve uma tentativa de lesão corporal praticada pelo motociclista contra o condutor do outro veículo com o uso de um capacete; e que a lesão só não foi consumada, graças à intervenção de populares que ali estavam.
Lesão corporal é crime e cabe a condução do agressor.
Neste caso, já que o deputado estava tão empenhado em defender o motociclista, o máximo que ele poderia ter feito, era constituir um advogado para acompanha-lo e defende-lo; mas não tentar obstruir o trabalho da polícia militar.
Assista ao vídeo acima e veja como foi a atitude do deputado que estava trajando blusa azul e bermuda jeans.
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com