Prostitutas de BH celebram o ‘Puta Day’ na Guaicurus; veja o vídeo com os desafios da profissão

Cida Vieira com a sombrinha vermelha que representa a luta das prostitutas por direitos (Foto: Bárbara Donhini)

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

O Dia Internacional da Prostituta, ou “Puta Day”, é celebrado em todo o mundo no dia 2 de junho. Mas, mais do que celebrar, a data é marcada por reunir e dar visibilidade às principais reivindicações das profissionais do sexo. No Brasil, a principal pauta da categoria é que a dita profissão mais antiga do mundo seja, de fato, reconhecida e regulamentada como uma profissão.

A matéria continua após a publicidade

Ao longo desta semana, a Associação das Prostitutas de Minas Gerais (Aprosmig) promove uma série de ações voltadas para as prostitutas de BH, que inclui bazar, dia de beleza, o lançamento do livro “A Voz das Putas” nesta sexta-feira (7) e a oficialização da cessão de um casarão histórico da rua Guaicurus à Aprosmig, o que será feito com a instalação de uma placa anunciando o que o imóvel se tornará no futuro: o Museu do Sexo.

 

Assista ao vídeo

Segundo a presidente da Aprosmig, Cida Vieira, a associação conta com 3.500 prostitutas cadastradas, que atuam no entorno e na rua Guaicurus. Só que sem a regulamentação da profissão, elas continuam à margem de diversos direitos e submetidas a todo tipo de violência, inclusive, institucional. 
“Este evento que estamos promovendo esta semana é uma forma de falar sobre a necessidade de dar direitos e políticas públicas às profissionais do sexo, e também sobre a questão da violência contra as mulheres. É um direito delas serem vistas como mulheres trabalhadoras. É importante dizer: respeite o trabalho sexual das mulheres. É um trabalho digno como outro qualquer e é com esta renda que elas sustentam a casa, os filhos, a família”, conta Cida.  
Sobre a violência institucional, ela lembra que a própria falta de direitos e de políticas públicas para estas trabalhadoras já é uma forma de violência. Segundo ela, isso é potencializado na prática quando, por exemplo, as mulheres vão a um posto de saúde e se identificam como prostitutas e o profissional de saúde demonstra receio de tocar nelas para examinar. Ou quando tentam registrar uma ocorrência de estupro e têm sua denúncia deslegitimada ao anunciarem com o que trabalham. 
E a própria saúde integral dos corpos dessas mulheres acaba ficando ameaçada. “É um direito que reivindicamos também e que poderia vir com a regulamentação da profissão. Porque a saúde da mulher que é prostituta acaba sendo focada somente na região pélvica. Quando elas vão a um médico, por exemplo, e falam que são prostituas, o atendimento é todo direcionado a esta área, mas sabemos que é importante cuidar da saúde integral”, explica.   
A única política pública voltada para a categoria de profissionais do sexo na história do Brasil foi a inclusão do trabalho na Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), o que veio a acontecer somente em 2002 com a reedição da listagem. Até então, a profissão era considerada proibida no país. 
Definir a prostituição como uma ocupação coloca o trabalho no mesmo rol da categoria dos profissionais autônomos. Ou seja, as profissionais do sexo continuam descobertas de direitos trabalhistas. Como diz a própria definição da CBO no Ministério do Trabalho, “os efeitos de uniformização pretendida pela Classificação Brasileira de Ocupações são de ordem administrativa e não se estendem às relações de trabalho”. 
“A maioria destas mulheres gostaria de ter o reconhecimento e o respeito pelo trabalho que exercem. Porque quando você não é reconhecido, você é excluído do acesso aos serviços de saúde e políticas públicas, a garantia de direitos fica uma coisa meio solta, perdida. A regulamentação, então, abarcaria tudo isso: os direitos trabalhistas e o direito de ir e vir com dignidade”, explica a psicóloga Elizabeth de Magalhães Fernandes, que trabalha na Aprosmig. 
A série de ações realizadas pela associação por conta do Puta Day é uma forma de visibilizar as prostitutas e suas pautas. “As mulheres que estão aqui são mães, filhas, avós e putas. Elas estão aqui cuidando da família, trabalhando com dignidade, sustentando suas casas, pagando suas faculdades, as escolas dos filhos. Elas pagam seus impostos como qualquer outro profissional. É daqui que elas tiram o seu sustento. E é por isso que elas também querem e precisam de direitos”, conclui. 

Bazar

Nesta quarta-feira (5), foi aberto o “Bazar da Zona” na Aprosmig 
Casa de Florinda
O casarão histórico instalado na rua Guaicurus, além de poder servir de sede para a Aprosmig,  que atualmente se instala nos fundos de um estacionamento na mesma rua, irá se tornar o Museu do Sexo em Belo Horizonte. 
“Conseguimos este casarão por meio de uma parceria com a prefeitura em 2016 e, além do usufruto, também temos a missão de revitalizá-lo e reformá-lo. Para isso, vamos pedir ajuda de empresários de Belo Horizonte. Ali, pretendemos contar a história da rua Guaicurus, junto com todas as histórias que já passaram por aqui”, explica a presidente da Aprosmig, Cida Vieira. 
Ela conta que o casarão, que hoje é um patrimônio da cidade, pertecenceu a uma senhora chamada Florinda, que se prostituía na rua Guaicurus e acabou criando a casa para ela e outras mulheres trabalharem com mais segurança. 
“As histórias circulam pelos quartos, passam pelos corredores, descem as escadarias e vão para a rua. A Guaicurus pulsa história o tempo todo e por isso que este resgate histórico é necessário. É uma rua que, por exemplo, já teve glamour nas décadas de 50 e 60. Os casarões e hotéis aqui já foram cabarés. E as prostitutas são as protagonistas destas histórias”, lembra a psicóloga Elizabeth Fernandes. 
O ensejo de uma retomada cultural da rua começou com o Carnaval de Belo Horizonte. Um dos maiores blocos da cidade desfila pela Guaicurus. Hoje, também é um dos palcos da Virada Cultural de Belo Horizonte. 
E a Aprosmig quer mais. “É uma forma de ocupar os espaços que a gente tem na cidade e a rua Guaicurus é um importante espaço. Vamos transformá-la em uma passarela da cultura, e já estamos pensando em, por exemplo, organizar uma festa junina pro ano que vem”, revela Cida Vieira. 
Informativos
Informativos destinados às prostitutas na Aprosmig
Fonte Hoje em Dia
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com