Suspeitos de tráfico de drogas são presos durante Operação da PCMG na UFMG

Divulgação/PCMG

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Durante a tarde da última quarta-feira (22), a Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) realizou, no campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), operação para cumprimentos de mandado de prisão e de busca e apreensão referentes ao crime de tráfico de drogas.

 

A matéria continua após a publicidade

Duas equipes do Departamento de Combate ao Narcotráfico (Denarc) participaram da ação policial. No diretório acadêmico da Faculdade de Filosofia, foram presos três suspeitos: Felipe Augusto da Silva (conhecido como Logaritmo), de 27 anos; Vinicius Haper Figueira, de 31; e Vitor Junior Ventura Neves dos Santos, de 22. Também foram apreendidas 144 buchas de maconha e um tablete de aproximadamente 600 gramas da mesma droga. Felipe havia sido identificado no curso das investigações e, por essa razão, a Justiça já tinha expedido mandado de prisão contra o suspeito. Os outros dois detidos foram identificados posteriormente.
O Delegado que integra os trabalhos investigativos, Rodolpho Machado, explicou que o local onde foi cumprido mandado de busca e apreensão se assemelhava bastante a uma boca de fumo. Ainda segundo o Delegado, Felipe já havia sido preso no dia 9 de maio, em razão do crime de tráfico de drogas. Todos os suspeitos já tinham registros policiais por crimes de tráfico de drogas e roubo à mão armada.
Já na entrada do prédio da Faculdade de Belas Artes, foram presos em flagrante Alvacy Pereira Silva Júnior e Thiago Thadeu, ambos de 25 anos. Com os suspeitos foi encontrado um quilo de haxixe. O Delegado Windsor de Mattos Pereira, responsável por essa etapa da operação, explicou que o entorpecente apreendido possui elevado valor de mercado em razão de ser mais potente.
Conforme explicou o Chefe do Denarc, Júlio Wilke, os suspeitos presos comercializavam os entorpecentes exclusivamente no interior do campus acreditando que as forças de segurança pública estaduais não teriam poder de investigação e prisão no local, o que não procede.
A direção da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (Fafich) prestou todo o apoio à PCMG no curso da ação policial. Nenhum dos presos integrava o corpo docente ou estudantil da UFMG. As investigações prosseguem para identificar a origem do entorpecente comercializado no campus, assim como demais pontos de produção e venda de drogas.
Fonte PCMG
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com