A Max Minas Gerais audiovisual Expo, apresenta concerto com cerâmica na sala Minas Gerais

Foto Reprodução

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

A MAX MINAS GERAIS AUDIOVISUAL EXPO conta com programação cultural que vai até 1º de setembro de 2018 e ocupa três dos principais pontos turísticos de Belo Horizonte.

A matéria continua após a publicidade

Entre as atrações está o Concerto “Mineral”, que é o resultado de uma pesquisa de mais de 20 anos sobre a sonoridade da cerâmica, do artista-plástico Máximo Soalheiro. Serão dois dias de apresentação, 31 de agosto e 1º de setembro, na Sala Minas Gerais. Ingressos: R$ 2,00 (dois reais) a inteira e R$ 1,00 (um real) a meia, à venda pelo link: https://goo.gl/GHSDtr

Com uma sala de cinema instalada ao ar livre, na Praça da Estação, a mostra “Cinema para Todos” continua com sua programação gratuita de exibição de clássicos do cinema. Nas próximas sessões terão os filmes Forrest Gump (1994), Santino e o Bilhete Premiado (2016), Tubarão (1976), O Menino e o Mundo (2013) e O Pequeno Príncipe (2015). Os ingressos começarão a ser distribuídos com meia hora de antecedência de cada sessão.

Já o Museu de Artes e Ofícios recebe uma Oficina de Criação de Animação com Smarphones, ministrada por Daniel Hertel, que visa proporcionar uma experiência de animação com o objetivo principal de apresentar um método em que o participante consiga replicar os conceitos em sua casa utilizando um smartphone ou tablet. A técnica, denominada animação de recortes ou cutout animation, consiste em registrar com a câmara do equipamento o motivo sobre uma mesa de trabalho, inserindo-se recortes de papel, revistas, desenhos ou, até mesmo, objetos. Além da oficina, há a Exposição “Quando o Cinema de Desfaz”, de Solon Ribeiro, e um Educativo Experimental com as cerâmicas de Máximo Soalheiro.

CONCERTO MINERAL – MÁXIMO SOALHEIRO

Foto Reprodução

Com uma apresentação inédita, o concerto conta com mais de 200 tipos, tamanhos e materiais de cerâmicas que, afinadas com o auxilio de água, se transforam em instrumento musical. O concerto permite a execução de obras do repertório erudito e popular, com uma sonoridade única de grande riqueza de timbre. Para dar vida ao projeto, Máximo se associou ao músico e sound designer Pedro Durães, que assina a direção musical, e a um grupo de instrumentistas virtuosos e abertos à experimentação de linguagens. Além da instalação, tocada com as mãos, baquetas e arco, a performance musical conta com baixo acústico, percussão, sopro, piano e voz.

Com 50 minutos de duração, as apresentações terão no repertório composições de Hermeto Pascoal, Santiago Vazquez, Carlos Aguirre, Steve Reich, Björk, João Donato, Claude Debussy e Ary Barroso. Os arranjos foram escritos especialmente para a sonoridade criada pelo conjunto de instrumentos.  O concerto reúne os músicos Camila Rocha, Davi Fonseca, João Paulo Drummond, Kristoff Silva, Leandro César, Pedro Durães, Juliana Perdigão e Yuri Vellasco.

Máximo Soalheiro explica que sua obra sempre buscou um diálogo com outras manifestações artísticas, como a música, o teatro e a literatura. “A música sempre fez parte do meu trabalho e cheguei a iniciar estudos na área, que depois deixei para me concentrar nas artes visuais”, conta. Para realizar Mineral, o artista se dedicou a pesquisa de materiais, processos de queima e vitrificação, chegando ao material definido para a instalação, o agalmatolito (especificamente a pirofilita), que tem ocorrência em Minas Gerais.

O ceramista esclarece que se trata de minério que produz sonoridade rica, que se sustenta no ar e com altura definida. A composição da cerâmica, além do mineral, traz um balanço minucioso de outros elementos e processos de moagem e queima, para resultar no material exato para a finalidade musical. “Há oito anos foi realizado um primeiro ensaio com as peças. A aproximação com músicos criativos e com formação acadêmica fez o projeto avançar até o atual estágio”, diz Soalheiro.

O passo seguinte foi passar da pesquisa para a produção das peças, a partir de uma definição de parâmetros estabelecidos matematicamente. Hoje, de acordo com Máximo Soalheiro e Pedro Durães, é possível ter certeza, ao abrir o forno, que cerâmica produzida emitirá a nota esperada ou bem próxima do ideal. Para garantir ainda mais exatidão na emissão do som, os vasos cilíndricos de diferentes alturas, espessuras e diâmetros, são microafinados com água adicionada no interior de cada coluna.

 

Pedro Durães explica que a sonoridade de Mineral tem características originais. “Em termos acústicos, o material vibratório é a própria parede do objeto e não o ar, como nos instrumentos tradicionais de percussão em cerâmica. São gerados os sons harmônicos, ou seja, afinados e com grande sustentação temporal. E por ser modular, os objetos podem ser agrupados de diversas maneiras, gerando escalas musicais e sonoridades particulares, o que expande as possibilidades de repertório”.

CINEMA PARA TODOS NA PRAÇA DA ESTAÇÃO

Foto Reprodução

Abertas e gratuitas para o público em geral, sessões de cinema serão promovidas pela MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo, um dos principais eventos da indústria criativa brasileira.

 

Com o objetivo de democratizar a cultura e, ao mesmo tempo, destacar a importância da música no cinema serão apresentadas sessões de cinema gratuitas na Praça da Estação, uma das regiões mais movimentadas de Belo Horizonte.

 

A escolha da programação foi feita pela equipe do P7 Criativo, Agência de Fomento à Indústria Criativa de Minas Gerais. Com objetivo de estimular a formação de público, foram selecionados filmes com forte apelo popular e trilhas sonoras marcantes. Abrindo o projeto, o Cine Concerto será apresentado ao vivo pela Orquestra de Câmara SESIMINAS, interpretando a trilha sonora do filme Marinheiro de Encomenda, dirigido por Buster Keaton, em 1928.

 

Durante a semana, os amantes do cinema também poderão conferir outros clássicos como Pulp Fiction, Forrest Gump e Tubarão, além de produções infanto-juvenis como O Menino e o Mundo, filme brasileiro que concorreu ao Oscar que será apresentado com audiodescrição, e a adaptação cinematográfica de O Pequeno Príncipe, que será apresentada com tradução em libras. Todas as sessões serão precedidas por curtas metragens mineiros.

 

A retirada de ingressos deve ser feita com meia hora de antecedência no local.

 

Mostra Cinema para Todos

Sessões de cinema gratuitas na Praça da Estação – BH

 

28 de agosto Cine Concerto com a Orquestra de Câmara SESIMINAS

Marinheiro de Encomenda (Buster Keaton, 1928)

 

Pulp Fiction: Tempo de Violência (Quentin Tarantino, 1994).

 

30 de agosto | Quinta | 19h

Forrest Gump: O Contador de Histórias (Robert Zemeckis, 1994)

Com um grande coração e um QI abaixo da média, Forrest Gump é um homem simples do interior do Alabama, no sul dos Estados Unidos. Ainda assim, ele viaja pelo mundo, encontra figuras históricas e testemunha de perto alguns dos principais acontecimentos das décadas de 1960 e 1970.

 

31 de agosto | Sexta

Santino e o Bilhete Premiado (Guilherme Fiuza, 2016) | 19h

Para os inimigos, Santino é um malandro, mulherengo e preguiçoso. Para os amigos, engraçado e encantador. Ele conhece Cristina, moça diferente, estudada na capital, e se apaixona. Mas Cristina está noiva do capataz de seu padrinho, o temido Coronel Antônio Bento. Conseguirão Santino e Cristina mudar o rumo dessa história?

 

Tubarão (Steven Spielberg, 1975) | 20h30

Um biólogo marinho, um marinheiro e o xerife local se unem para caçar o tubarão gigante que está aterrorizando uma pequena cidade à beira-mar.

 

1º de setembro | Sábado

O Menino e o Mundo (Alê Abreu, 2013) | 18h30 – sessão com audiodescrição

 

O Pequeno Príncipe (Mark Osborne, 2015) | 20h30 – sessão com tradução para Libras

EXPOSIÇÃO QUANDO O CINEMA SE DESFAZ

Foto Reprodução

O trabalho do artista Solon Ribeiro, já apresentado no Museu da Imagem e do Som – SP, em janeiro de 2018, traz um recorte da produção de Solon através de vídeos, fotografias e instalações com base em fotogramas de filmes clássicos das décadas de 1920 a 1960, resultado da coleção herdada do pai com mais de 20 mil fotogramas alusivos à protagonistas de filmes clássicos de Hollywood. Também acontecem oficinas ministradas pelo artista que incluem temas como construção de zines e laboratório de cinema gráfico utilizando cartazes de filmes, celulares e QR Codes a partir de narrativas dos participantes presentes com foco no conceito de “filme oral“, além de espaço aberto para conversas e troca de ideias com o público.

OFICINA ANIMAÇÃO COM SMARTPHONE

Foto Reprodução

Oficina ministrada por Daniel Hertel que visa proporcionar uma experiência de animação com o objetivo principal de apresentar um método em que o participante consiga replicar os conceitos em sua casa utilizando um smartphone ou tablet. A técnica, denominada animação de recortes ou cutout animation, consiste em registrar com a câmara do equipamento o motivo sobre uma mesa de trabalho, inserindo-se recortes de papel, revistas, desenhos ou, até mesmo, objetos.

 

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com