Prisão de ex-miliciano Lica desarticula o tráfico da Praça Seca no RJ, diz delegado

Lica assumiria o posto de chefia do tráfico da região, após a morte do traficante Da Russa

Lica, ex-miliciano que se associou ao tráfico, foi preso neste pelas polícias Federal e Civil - divulgação / pmerj

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Rio – A prisão do ex-miliciano Hélio Albino, o Lica, na madrugada deste domingo, pode ter desarticulado o tráfico na região da Praça Seca, segundo o delegado titular da 24ª DP (Piedade), Jader Amaral, que deu apoio à operação da Delegacia de Repressão a Entorpecentes da Polícia Federal, junto à 29ª DP (Madureira).

A matéria continua após a publicidade

“Com a morte do traficante Da Russa, no sábado, o Lica assumiria o posto de chefia do tráfico da região. Após essa prisão, o tráfico ficou bem desarticulado, com uma indefinição de quem vai suceder a liderança ali”, afirmou Jader.

 

A prisão de Lica aconteceu em Sulacap, na Zona Oeste, local para onde ele fugiu após a Praça Seca, região em que atuava, ser alvo de uma operação das forças de segurança. O ex-miliciano teria se associado ao traficante Sérgio Luiz da Silva, o Da Russa, morto no sábado em confronto com a polícia no Lins.

Segundo o delegado da 24ª DP, a prisão aconteceu após Lica sair de uma casa em que estava escondido. “Junto à Polícia Federal, monitoramos o criminoso por meio de uma residência próxima a que ele se escondia. Quando ele saiu pela manhã, conseguimos realizar a prisão”, explicou Jader, que acrescentou que os militares deram apoio logístico à operação.

O criminoso, que tinha três mandados de prisão pendentes, também foi autuado em flagrante por uso de documento falso e porte de arma de uso restrito. Com ele, os agentes apreenderam duas pistolas Glock, uma de calibre 40, e outra de calibre 45, essa última com kit rajada; além de R$23,9 mil em espécie, um Ford Ecosport, modelo 218, e 297 munições das armas que levava.

Lica chefiava a milícia na Chacrinha e no Bateau Mouche mas, em 2017, o chefão tomou um golpe de estado de dois dos seus aliados identificados como Horácio e Digão, que tomaram as favelas da área e o expulsaram. O miliciano, então, se aliou ao tráfico da Barão e começou uma guerra contra a milícia para retomar o poder na área. Seu mais novo aliado, o traficante Sérgio Luiz da Silva Júnior, o Da Russa, chefe do tráfico na Barão, foi morto em confronto com policiais neste sábado no Complexo do Lins.

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com