Forças especiais da PM voltam a fazer operação na Cidade de Deus após mortes

Eles buscam criminosos que mataram o capitão da Polícia Militar Stefan Contreiras no Pechincha, nesta quinta-feira

Operação desta quinta-feira na Cidade de Deus deixou quatro mortos - AFP PHOTO / MAURO PIMENTEL

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Os batalhões de Operações Policiais Especiais (Bope), de Choque (BPChq) e de Ações com Cães (BAC), forças de elite da PM, realizam uma operação na Cidade de Deus, na Zona Oeste, na manhã desta sexta-feira, um dia após quatro suspeitos morrerem em confrontos na região. Eles buscam criminosos que mataram o capitão da Polícia Militar Stefan Contreiras no Pechincha, nesta quinta-feira.

A matéria continua após a publicidade

Tiros foram registrados já nesta manhã na Cidade de Deus, mas não há informações sobre feridos, assim como presos ou apreensões feitas pelos policiais. Também participam da operação policiais do 18º BPM (Jacarepaguá) e da UPP local.

Inicialmente a Secretaria Municipal de Saúde informou que seis criminosos morreram nesta quinta-feira e três ficaram feridos nos confrontos. A PM, no entanto, diz que quatro pessoas morreram e que ‘busca explicações para o equívoco’ da pasta. Mais tarde, a SMS afirmou que ‘houve um equívoco’ e confirmou a versão da corporação, mantendo o número de feridos. Oito bandidos foram presos e os militares apreenderam dois fuzis, quatro pistolas e drogas ainda não contabilizadas. O caso foi registrado na 32ª DP (Tanque).

‘Busquem os assassinos em qualquer buraco’, escreveu comandante de batalhão

Uma conversa de Whatsapp mostra o que seria um diálogo do comandante do 18º BPM (Jacarepaguá), coronel Marcos Netto, com policiais da sua unidade. Nela, o oficial diz que perdeu “um filho” com a morte do capitão Contreiras e faz um apelo: “Quero pedir a todos vocês que se empenhem ao máximo, buscando quem quer que seja, em qualquer buraco, viela, casa, seja lá onde for, os assassinos do Contreiras”.

Uma mensagem anterior a essa mostra que todos os policiais da unidade tiveram suas folgas suspensas para as operações. O comandante continua a mensagem afirmando que “a guerra será sem trégua”. “Enquanto estes filhos da p. não forem pegos eu não descansarei. Ele não será trazido de volta, mas impune este crime não vai ficar.”

Fonte Agência O Dia
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com