Governo do Estado de Minas Gerais paga salários a 184 mortos

Ferramenta lançada pelo TCE descobriu servidores que acumulam diversos cargos públicos

Tribunal de Contas do Estado identificou irregularidades em cargos

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Segundo o Cadastro de Agentes Públicos do Estado e dos Municípios de Minas Gerais (CAPMG), o governo estadual poderá economizar quase R$ 6 bilhões por ano. O montante é o valor aproximado do que pode estar sendo pago para servidores do Estado e dos municípios que acumulam cargos ilegalmente no serviço público e até mesmo para servidores que já faleceram.

A matéria continua após a publicidade

O presidente do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE-MG), conselheiro Cláudio Terrão, informou que o CAPMG verificou 184 pessoas que já faleceram e ainda constam na folha de pagamento do Estado. “Identificamos situações gravíssimas que vêm ocorrendo há cerca de quatro ou cinco anos, em que as pessoas constam do cadastro de falecidos e outras pessoas permanecem recebendo por elas”, contou.

De acordo com o documento, um agente público acumula dez cargos irregulares e o órgão com a maior irregularidade é a Secretaria de Estado de Educação: são 89.774 agentes com indícios de acumulação ilícita. Em segundo lugar está a Fundação Hospitalar do Estado de Minas (Fhemig), com 3.181 agentes suspeitos de acumular cargos.

O presidente do TCE explicou que o objetivo é verificar as pessoas que não estão cumprindo a regra constitucional de acúmulos de cargos. “A Constituição permite apenas o acúmulo de dois cargos em casos muitos especiais, como é a questão dos médicos e professores. Fora dessa situação não se podem acumular cargos”, disse.

De acordo com Terrão, o TCE vai oficiar prefeituras e o governo estadual para que bloqueiem os pagamentos irregulares em até três dias. Caso o bloqueio não ocorra, o órgão pode entrar com representações.

 

Fonte O Tempo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com