Ex-presidente da Câmara de BH e mais sete são alvos de mandados de prisão

Movimentação da polícia em frente a casa do vereador Wellington Magalhães

Maurício Vieira/Hoje em Dia

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

Oito mandados de prisão preventiva e sequestro de bens são cumpridos em Belo Horizonte na manhã desta quarta-feira em uma operação do Ministério Público Estadual e da Polícia Civil de Minas Gerais. Entre os envolvidos, estão o ex-presidente da Câmara de Vereadores de Belo Horizonte, vereador Wellington Magalhães, a mulher dele, Kelly Magalhães e o jornalista Márcio Fagundes, ex-superintendente de comunicação da casa.

A matéria continua após a publicidade

A operação denominada ‘Sordidum Publicae’ (Política Suja, em latim) da 4º Vara Criminal de Belo Horizonte atinge também outras cinco pessoas e é um desdobramento de outra operação ‘Santo de Casa’. Os suspeitos estão envolvidos em crimes como peculato, fraude em licitação pública, corrupção ativa e passiva, falsidade ideológica, embaraço a investigações, organização criminosa e lavagem de dinheiro. As penas podem ultrapassar 118 anos.

Wellington Magalhães foi identificado como o líder da organização criminosa, que direcionou a licitação para contratação de serviços de publicidade para a Câmara, em favor da empresa MC. COM, causando prejuízo de mais de R$30 milhões aos cofres públicos municipais.

O líder da organização criminosa e sua esposa foram denunciados pela prática do crime de lavagem de dinheiro, adquirindo bens móveis e imóveis de alto luxo, incluindo suntuosa mansão na orla da Lagoa da Pampulha, casas de alto nível de acabamento em condomínio de luxo na Região Metropolitana de BH, veículos importados de alto luxo, além de viagens internacionais, patrimônio este adquirido com o produto dos crimes antecedentes relacionados nas denúncias.

Todos os bens e serviços, totalizando mais de R$4 milhões, foram adquiridos durante seu mandato de vereador e presidente da Câmara de Vereadores de BH, em absoluta desproporção com a única fonte de renda do acusado constituída pelo subsídio de vereador.

Confira imagens da operação:

Fonte Hoje em Dia
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com