Agentes da PF negociam apresentação de Lula com defesa do ex-presidente

Ex-presidente está na sede do Sindicato dos Metalúrgicos desde a tarde desta quinta-feira. Militantes esperam anúncio

Juiz Sérgio Moro expediu mandado de prisão contra o ex-presidente Lula - Arquivo / AFP

Receba atualizações em tempo real diretamente no seu dispositivo, inscreva-se agora.

São Paulo – O presidente da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), Luís Antônio Boudens, afirma que os agentes envolvidos na operação de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva consideram que uma negociação com a defesa do petista é a melhor forma de cumprir a ordem de execução da pena.

A matéria continua após a publicidade

Encerrado o prazo das 17 horas dado pelo juiz Sérgio Moro, o representante dos policiais federais considera a possibilidade de Lula ainda se entregar à PF em São Paulo, de os agentes prenderem o ex-presidente na sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (SP), entre 17 e 18 horas ou, cumprir a ordem num outro dia.

“A intenção não é dar o cumprimento a qualquer custo, mas cumprir a ordem da melhor forma, com tranquilidade e sem ‘midiatismo’.” A PF garante que há uma aeronave reservada para transportar o ex-presidente de São Paulo a Curitiba.

Lula vai ficar no sindicato junto com militância, diz Gleisi Hoffmann

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou na tarde desta sexta-feira, que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai permanecer no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, junto com a militância do partido.

Segundo a petista, ao permanecer no sindicato, mesmo após o fim do prazo dado pelo juiz Sérgio Moro para que ele se entregasse, não está descumprindo nenhuma ordem judicial. Ela ressaltou que decisão de Moro dava a opção a Lula, mas não o obrigava. “O sindicato é um local público”.

Gleisi disse que haverá amanhã, na sede do sindicato, às 9h30, uma missa em homenagem a Dona Marisa, mulher de Lula que faleceu no ano passado. A petista afirmou ainda que Lula decidiu ficar porque ainda aguarda as manifestações da ONU e do Supremo Tribunal Federal (STF) em relação a recursos que aguardam resultado.

Polícia Federal

Em Curitiba, o delegado da Polícia Federal Igor Romário de Paula informou que estava negociando com a defesa do ex-presidente para que ele se apresentasse. De acordo com o delegado, não está descartada o prosseguimento da negociação mesmo após o fim do prazo estabelecido pela Justiça.

O delegado disse que a intenção é evitar confrontos, já que o ex-presidente está no sindicato cercado por apoiadores. Igor de Paula acrescentou que é remota a chance de a Polícia Federal entrar no sindicato para prender o ex-presidente.

STJ

Antes das 17h, o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Félix Fischer negou habeas corpus protocolado pela defesa do ex-presidente para anular o decreto de prisão assinado pelo juiz federal Sérgio Moro.

Na decisão na qual decretou a prisão, Moro explicou que Lula não ficará em uma cela “em atenção à dignidade cargo que ocupou”. De acordo com o juiz, o ex-presidente deve ficar separado dos demais presos para “preservar sua integridade física e moral”.

A prisão de Lula foi decretada com base no entendimento do Supremo Tribunal Federal (STF), fixado em 2016, que autorizou a execução provisória da pena de condenados pela segunda instância da Justiça. Na quarta-feira, a defesa do ex-presidente tentou reverter o entendimento, mas, por 6 votos a 5, a Corte negou um habeas corpus preventivo para evitar a prisão.

Fonte Agência O Dia
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com